Escrito por Ricardo de Castro Barbosa    Qui, 28 de Abril de 2011 00:35    PDF Imprimir E-mail
SOA+Cloud Symposium - 27/04/2011

Notícias sobre o SOA + Cloud Symposium

Brasília, 27 de Abril de 2011 

A primeira palestra foi de Simone Bruzoni, italiano, da Amazon, que falou sobre Cloud Computing. Pontos a destacar:
·        Comparou a Indústria automobilística com TI. Na indústria automobilística todos componentes são projetados para ter reuso, diminuindo custos e acelerando o lançamento de novos modelos. Em TI ainda construímos sistemas para finalidade específicas, criando muitas redundâncias. (Eu, particularmente, gosto e uso esta analogia)

·        Cloud Computing traz a possibilidade de utilizarmos infraestrutura e serviços já prontos, com enormes ganhos de escala.

·        Não devemos tentar fugir de Cloud Computing. Nosso concorrente pode se utilizar disto e se beneficiar com seus ganhos.Palavras finais: “1. Act now! 2. Respect your limits. Use it where it makes sense”.                  (twitter: @simon)

Thomas Erl, canadense, lançou seu livro SOA Governance, falou sobre “Governing shared services on premise and in cloud”. Discorreu sobre os Building Blocks:

·        Preceitos – Regras, Padrões, Regulamentações, etc. que devem ser seguidas. Uma das decisões importantes neste tópico é a definição do escopo do(s) inventário(s) de serviços.

·        Processos – Para coordenar as tomadas de decisão com relação aos preceitos. Um dos processos novos é o SOA Governance Vitality Process, para garantir que o serviço mantenha suas características iniciais ao longo do tempo. Triggers são armados para informar qualquer anormalidade ou tendência indesejável.

·        Pessoas – Devem assumir papéis e tomar as decisões. Existem muitos perfis novos, como por exemplo: SOA Governance Specialist.

·        Métricas – Para medir a conformidade aos preceitos.

Ressaltando a importância de Governança SOA, Thomas falou do SGPO, que significa SOA Governance Program Office.Pela amostra o livro promete.

Em seguida fui assistir à palestra do belga Jean-Paul De Baets, da Fedict, que mostrou um projeto de redução de 56 dias para 3 dias para abrir uma empresa na Bélgica. (Na Bélgica, claro!). Este projeto de BPM/SOA teve que envolver a federação dos cartórios belgas , o Ministério da Economia, o Ministério da Justiça, o Diário Oficial deles, entre outros. Imaginem o grau de dificuldade! Os objetivos do projeto: 1 - Reduzir o tempo para abertura de uma nova empresa; 2 - Simplificar a administração; 3 - Atender à diretriz do mercado europeu de expor on line a situação das empresas.

Pois bem, o projeto começou com a melhoria dos processos e a construção de uma grande fachada (serviços), enquanto os sistemas da retaguarda, particulares de cada entidade envolvida, permaneciam os mesmos. É claro que modificações nos aplicativos de cada entidade derrubava o processo, exigindo um grande esforço de back office. Mas foi um esforço válido, que mostrou a todos as possibilidades de ganho, incluindo ganhos políticos. Chamaram de SOA, mesmo sabendo que ainda não tinham chegado lá.

Na segunda fase, cada entidade se dispôs a se comunicar via serviços, desacoplados, portanto, das respectivas implementações. Agora sim, chamaram de SOA.

Conversei com ele depois da palestra. Perguntei, brincando, como é que eles faziam para abrir uma empresa em 56 dias, o que já estaria bom para nós. 

Neste ponto do evento percebi que assisti a palestras de um canadense, um italiano e um belga. Ou seja, o mundo já esta com o pé na estrada SOA! 

Ricardo Puttini, da UnB, deu uma amostra de como está SOA no Brasil, com a palestra: “SOA Adoption in Brazilian Institutions: How is it going?”. Digo uma amostra porque o levantamento ainda está sendo concluído. Em todo caso, alguns números interessantes:

·        O Brasil já é o 3º país em volume de negócios de TI.

·        No mundo: Sobre gastos com SOA, praticamente ¼ é em tecnologia, ¼ com governança, ¼ em aspectos organizacionais e ¼ em educação e treinamento.

·        Quase 70% dos entrevistados apontam como maior desafio de SOA o entendimento de SOA e os recursos para sua implementação.

·        40% das empresas brasileiras entrevistadas estão avaliando/planejando SOA, e 20% já estão executando um piloto.

·        82% encontram dificuldade em identificar a tecnologia adequada e a granularidade dos serviços. (A questão de identificação dos serviços é crucial).

Acho que é um pouco cedo para conclusões. Mas ficou claro que estamos atrasados em relação ao resto do mundo. Porém, estamos nos movendo!

Quem quiser dar uma espiada nas questões do levantamento:

-(www.redes.unb.br/soa) para empresas que já adotam SOA (34 questões)

-(www.redes.unb.br/soa_simples) para empresas que estão planejando adotar SOA (13 questões)

A última sessão que assisti foi um bate-bola sobre o SOA Manifesto, com pessoas que participaram da sua elaboração. E quem estava lá? Anne Thomas Manes, do Gartner. Lembram do blog “SOA is dead”? Ela mesmo! Pois bem, ela é brilhante! Participou e respondeu às questões de forma brilhante. Ela explicou o que motivou o artigo, escrito há 2 ½  anos: o pessoal estava vendendo/aplicando SOA como tecnologia, o que realmente mata o conceito. Depois vieram as dificuldades de adoção de qualquer novidade, devido à recessão. O SOA Manifesto, que teve participação dela, redirecionou SOA para arquitetura e negócios, dando uma nova vida a SOA. Ricardo Puttini acrescentou que a tecnologia também colaborou, pois hoje tem mais maturidade.

Outras considerações importantes foram feitas, englobando análise e design, integração (interoperabilidade) X arquitetura, estratégias de implantação, pontos de falha, water fall X agile, mas a tinta está acabando.

Boa noite a todos,

Ricardo.

Última atualização ( Qui, 28 de Abril de 2011 00:56 )
 

Endereço

Avenida Sagitário, 138, Torre 1, Sala 301 - Alphaville Conde II 

Barueri – São Paulo  CEP 06473-073

(11) 4191-6051 / (11) 4191-3970

Fotos dos Cursos         

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.